Holocast 84: Entre Triunfos e Desesperos


DM Rafael, Metalgeisha, Beto Chopper e Barão Fernando rolam seus dados, comparam os resultados e discutem o que fazer com tantos triunfos, ameaças e desesperos no Star Wars RPG! E você, também tem dado em casa?

[00:00] Apresentação
[02:41] Papo de Cantina: open box e leitura de comentários
[28:05] Base Delta Zero: vitrificando dúvidas do sistema
[54:16] Lógica dos dados do Star Wars FFG

Recomendações:
Up to 4 players – Star Wars FFG
Vídeo da FFG sobre o Star Wars RPG
Grupo Star Wars RPG Brasil
Ganhe um audiolivro de graça e 30 dias para testar o Audible
Acesse o Jedicenter

Fale conosco!
Acesse a Terceira Terra
Acesse o Holotumbler
holocast@terceiraterra.com
@holocastsw
Facebook do Holocast
YouTube do Holocast

Dúvidas de Star Wars:
http://ask.fm/holocast

Todos os efeitos sonoros de Star Wars foram feitos a partir do Star Wars Soundboard.

Dê uma olhada nestes ótimos produtos disponíveis na Amazon brasileira!

  • Pedro Obliziner

    eu fiz um player aid pros meus jogadores que disponibilizei lá no Star Wars RPG Brasil (FFG), ele ajuda quando a pessoa trava e não sabe o que fazer, mas não ajuda tanto para as soluções mais criativas (e que são as mais legais). Acho que precisa ser membro do grupo pra acessar, mas aqui vai:
    https://www.facebook.com/groups/StarWarsFronteiraDoImperio/1008784695847961/

    Mas acho que o nível de granularidade do sistema que esses dados dão são excelentes, quando voltei pra um sistema “tradicional”, senti falta disso também, ele estimula novos elementos que dificilmente apareceriam sem ele. Mas, acho que o maior benefício desse sistema de dados é o lastro para as escolhas do mestre que as ameaças e desespero dão. Explicando: um mestre sempre tem que criar dificuldades para os jogadores e personagens, é o que torna o jogo interessante. Mas, se isto não for feito com técnicas narrativas apropriadas, muitas vezes o desafio se torna inverossímil ou os jogadores sentem ele como injustos. Se você não coloca a suspeita no jogador de que seu personagem está sendo seguido até sua casa, depois ele vai achar você um babaca por ter sequestrado seu pai. “Foreshadowing” geralmente dá conta do recado. Mas, quando o jogador tira ameaças e desesperos no dado, automaticamente ele já perde essa sensação de injustiça, “escapamos magistralmente dos stromtroopers pelas ruas da cidade, mas quando chegamos na nossa nave ela está com um problema mecânico e não quer ligar? Ok, eu tirei um desespero no teste de furtividade, mesmo”.

    • A isenção que os dados concedem ao mestre é a melhor parada. Ainda mais que o jogador que é o responsável pelo resultado. O mestre pode ter colocado a dificuldade, mas foi a mão do jogador que rola os desesperos e ameças. É genial!

      É por essas e outras que sempre jogo com os dados abertos. Sinto que ao esconder os dados o mestre perde essa isenção com os resultados. Sem falar que é mais divertido lidar com as situações como elas aparecem do que dar aquela “roubadinha” por de trás do escudo.

  • Julio Matos

    Fala galera (gostei desse negócio de comentar episódios e vou vir mais vezes :p)

    Muito interessante mesmo o sistema de resoluções do sistema Genesys e sobre “autoridade narrativa” isso é uma novidade mesmo para quem chegou de jogos mais tradicionais onde a palavra do “Mestre” é incontestável como regra. Os gatilhos do jogo servem para os jogadores realmente criarem algo, como vocês fizeram no exemplo e não apenas expandir a descrição. É interessante que a narrativa é guiada pelo resultado dos dados, ou seja, se não houver um Triunfo ou Desespero, aqueles detalhes inseridos pelo jogador certamente não existirão na história.

    Uma coisa que parece ser um paradigma para muitos jogadores é “incorporar” o pensamento do personagem. Em vários momentos os jogadores buscam na ficha opções do que “podem” fazer (com medo de serem tolhidos pelo Mestre) quando, na verdade, deveriam estar agindo “segundo o papel do personagem” pois o jogo provavelmente irá ter uma regra pra lidar com isso. Não significa abrir mão de regras, mas direcionar sua postura durante o jogo para a proposta do personagem, pois assim sendo, o sistema trabalhará a favor de suas escolhas (se ele for bem construído, como é o caso do Genesys).

    Abraço e desculpem pelo comentário longo! 😀

  • Rubens Mateus Padoveze

    Ainda ouvindo, mas aguardava muito esse tema, mesma nunca tendo jogando esses sistema, independente da temática.

  • Rubens Mateus Padoveze

    Pena que não tenho como experimentar essas seções que vocês descreveram esse caos da duvida da complexidade da subvertencia dos sistemas de uso comum. Entendi a complexidade que esses dados podem trazer mas os prazeres narrativos parecem compensar tudo! Excelente episódios, deu para entender bem o funcionamento, os prós e contras.