Holocast Rebels: Rebel Assault

DM Rafael, Twilek Pepe, Metalgeisha e Beto Chopper furam um bloqueio imperial se explodindo de emoção e chovendo comentários para o episódio Rebel Assault da série Star Wars Rebels!

[00:00] Apresentação
[01:26] Holocast Recon
[29:08] Rebel Assault

Recomendações:
Padrim da Terceira Terra
Transmissão da aventura mestrada por Sam Witwer no canal Twitch.tv/GeggHead
Ganhe um audiolivro de graça e 30 dias para testar o Audible
Acesse o Jedicenter

Fale conosco!
Acesse o Holoblog
Acesse a Terceira Terra
Acesse o Holotumbler
holocast@terceiraterra.com
@holocastsw
Facebook do Holocast
YouTube do Holocast

Dúvidas de Star Wars:
http://ask.fm/holocast

Todos os efeitos sonoros de Star Wars foram feitos a partir do Star Wars Soundboard.

Dê uma olhada nestes ótimos produtos disponíveis na Amazon brasileira!

  • Pedro Obliziner

    Oi, pessoal. Sou ouvinte do podcast, sou psicólogo e psicanalista e o Rafael me pediu uma sugestão sobre a pauta de um programa sobre as doenças mentais dos personagens de Star Wars. Minha resposta ficou meio grandinha, então resolvi postar aqui pra ela ficar pública, porque é uma discussão interessante.

    Diagnósticos são um assunto bem complexo em saúde mental. As posições mais críticas, que compartilho, os veem como muito pouco úteis e estigmatizadores. Pra você ter uma ideia, na minha clínica eu só falo de “hipótese diagnóstica” (nunca de uma certeza) e ela só me ajuda a orientar o tratamento, sinalizando, por exemplo, o que tenho que ficar mais atento para escutar, se a pessoa deveria procurar outros profissionais (um psiquiatra, um neurologista, etc), mas diagnósticos declarados e fechados do tipo “você é um esquizofrênico” ou “você tem depressão” muitas vezes causa mais mal do que bem. A pessoa fica rotulada, muitas vezes se acha incapaz de mudar porque “tem” certa doença ou outras vezes o diagnóstico serve como uma justificativa “nunca vou conseguir namorar porque sou bipolar”.

    Esse problema fica mais grave quando você percebe que os diagnósticos praticados pela psiquiatria ortodoxa tem um grande componente político, “homosexualismo” já foi um diagnóstico, no último manual de diagnósticos (chamado de DSM V -> lê-se o V como 5, “dê-esse-eme cinco”) a TPM entrou como doença mental na categoria de “Transtorno Disfórico Pré-Menstrual”.

    O que vemos é uma tendência muito grande de patologizar tanto traços indesejados (como uma “rebeldia feminina”) mas também qualquer tipo de sofrimento, que deveriam ser comuns em graus razoáveis. O que observamos na nossa sociedade como um todo é que o sofrimento fica cada vez mais insuportável, e uma teoria que apoia a ideia de qualquer sofrimento como um problema de saúde mental agrava isto já que, ao me sentir triste e perceber que isto é inadequado, que tenho um distúrbio, meu sofrimento é amplificado.

    Para ser diagnósticado com depressão segundo o DSM V, por exemplo,basta apresentar cinco dos seguintes sintomas por pelo menos duas semanas:
    1. Humor deprimido na maioria dos dias, quase todos os dias (p. ex.: sente-se triste, vazio ou sem esperança) por observação subjetiva ou realizada por terceiros (Nota: em crianças e adolescentes pode ser humor irritável);
    2. Acentuada diminuição do prazer ou interesse em todas ou quase todas as atividades na maior parte do dia, quase todos os dias (indicado por relato subjetivo ou observação feita por terceiros);
    3. Perda ou ganho de peso acentuado sem estar em dieta (p.ex. alteração de mais de 5% do peso corporal em um mês) ou aumento ou diminuição de apetite quase todos os dias (Nota: em crianças, considerar incapacidade de apresentar os ganhos de peso esperado);
    4. Insônia ou hipersônia quase todos os dias;
    5. Agitação ou retardo psicomotor quase todos os dias (observável por outros, não apenas sensações subjetivas de inquietação ou de estar mais lento);
    6. Fadiga e perda de energia quase todos os dias;
    7. Sentimento de inutilidade ou culpa excessiva ou inadequada (que pode ser delirante), quase todos os dias (não meramente autorrecriminação ou culpa por estar doente);
    8. Capacidade diminuída de pensar ou concentrar-se ou indecisão, quase todos os dias (por relato subjetivo ou observação feita por outros);
    9. Pensamentos de morte recorrentes (não apenas medo de morrer), ideação suicida recorrente sem um plano específico, ou tentativa de suicídio ou plano específico de cometer suicídio;

    Vocês podem ver que são descrições bem subjetivas e que não é difícil se encaixar como tendo 5 desses sintomas em algum momento de dificuldade na vida como demissão de um emprego, término de um relacionamento, um falecimento na família, etc. Diagnosticar um desses eventos que fazem parte de qualquer vida muda o caráter dele de inerente e passageiro para um problema de difícil solução. Qual uma alternativa para isto? Definir que deve ser tratado aquilo que impossibilita a vida da pessoa, causa sofrimentos paralizantes, e que não é objetivamente qualificado (por exemplo, eu posso ser psicótico e ter alucinações controladas e seguir vivendo numa boa).

    Tuuuudo isso para dizer que acho que é difícil fazer bem feito uma análise de “o personagem X tem tal coisa” sem que isso fique reducionista e crie mais estigmas. Mas, provavelmente há modos legais de abordar questões de saúde mental na ficção, por exemplo analisando como doenças mentais e a loucura são usadas de modo clichê em vilões para justificar que eles são maus e por aí vai.

    desculpa o textão e um abraço (ainda volto pra comentar o podcast e o episódio)

  • San Ramon

    cês fazem uma imagem meio doida de mim lol

    Episódio meio sombrio. Sobre o destino do Kanan eu continuo naquelas de highlander: só pode haver um (e é o Luke).

  • Verdadeiro Felipe

    Olá rebeldes (e Beto). Estou anunciando minha diaspora para a sessão de comentários do holoblog, uma vez que inquisidores imperiais estão bloqueando meus comentários. Infelizmente aqui eu não posso fazer meus subtítulos maneiros, então vou postar uma lista rápida de todos que tinha planejado para esta temporada:

    -Lothcat mandaloriano; Jedi controlado por um lothrat debaixo do chapéu; Lothbat bebendo leite no bar em tatooine; Loth-ornitorrinco confundindo todos os biólogos de Lothal, e para o final da série: Mestre Snoke desligando o holograma para revelar o retorno de Danny Devito.

    Agora, vamos as impressões:

    -Continuo no hype da temporada. A batalha inicial foi ridiculamente maneira.

    -…Agora, isso vai ser um tanto constrangedor mas… Qual o objetivo dos Rebeldes nesta batalha mesmo? Destruir o bloqueio? Liberar o planeta? Pegar o protótipo imperial que descobriram? Eu devo ter perdido uma explicação, por que não sei o motivo desse ataque.

    -Se eu fosse roteirista, quando o piloto de capacete negro está voando atrás da Hera, o Thrawn teria um flashback para o final da terceira temporada (quando o cara sai de formação e estraga o plano) enquanto toca a sirene de Kill Bill, para logo depois ele mandar atirarem.

    -O homem macaco (que não tem alma nem coração) se mostrou mais competente que os irmãos inquisidores da segunda temporada. Terminou o episódio capturando um dos adultos sem precisar de força ou espadinha giratória.

    Este comentário é dedicado á memória de Hera Syndulla… Não que ela tenha morrido, mas podemos gastar alguns momentos de cada dia para lembrar dela.

    • Amanda Paschoal

      A missão deles era destruir a fabrica de TIE defender (e depois ir embora).

  • Henrique Tavares

    Essa é a primeira (e última) temporada de Rebels que estou acompanhando episódio por episódio. Tenho a impressão que talvez não funcione tão bem pra mim, porque nas outras temporadas eu ouvia reclamações de filler e eu não sentia tanto, e nessa temporada estou sentindo que a história patina demais. Sinto que não teve momentos marcantes até agora (talvez tivesse sido se, por exemplo, tivessem tido coragem de ter matado a mãe e irmão da Sabine), talvez eu estivesse com muita expectativa para a última temporada. Não estou achando ruim e não me decepciono com os episódios, só está extramemente comfort food pra mim.

    Mas nesse em específico, não sei se gostei da maneira que a X-wing apareceu. Eu esperava que fossem contar sobre a aquisição da X-wing, como fizeram com a Y e B-wing. Mas fui garoto, provavelmente deixaram em aberto propositalmente para explorar o surgimento da X-wing em outra obra, ao contrário das outras duas que encaixaram aqui porque talvez ninguém se importe o suficiente para ter um livro só para elas. Tadinhas. Também talvez seja melhor assim pra não parecer que a Ghost sozinha conseguiu tudo que a Aliança tem depois.

    Mas mesmo assim não teve o impacto, para mim. Esperava um momento de apreciação pela nave que seria a identidade da Aliança e daria vantagem para equilibrar as forças contra o Império. Fui dar uma pesquisada aqui sobre o que o Dave Filoni queria fazer com a X-wing, (http://www.slashfilm.com/star-wars-rebels-x-wings/ ) e aqui um trecho que traduzi aqui na hora: “Se e quando as X-wing aparecerem, será incrível. Kiri Hart e eu sempre conversamos sobre Império do Sol, adoramos esse filme. E para mim o momento da X-wing, talvez esteja entregando demais, será como a cena do Cadillac dos Céus quando os P-51 vem para a base onde o menino está. Tem que ter essa vibração, que você esteja tão empolgado para vê-la, então elas vão ter seu valor novamente. Ao contrário de, “olha lá uma X-wing”. Sabe, quero que elas apareçam em um momento de “puxa, esperei tanto por isso”.

    E no fim foi a minha sensação pendeu muito para o que ele não queria. Nesse episódio teve uma vitória contra um TIE defender que passaram um episódio inteiro levantando a bola, mas pareceu mais habilidade da Hera. Queria pelo menos ver os imperiais ficando de boca aberta e incapacitados ou até mesmo assustados com as X-wing, como foram os P-51 arrasando a base no Império do Sol. Em vez disso já tem pilotinho morrendo na primeira batalha, e depois o esquadrão inteiro é dizimado na pior derrota da série. Anti-climático demais.

    Uma dúvida: tem uma manobra bem específica que acho que é a primeira vez que mostram a X-wing fazendo (pra nunca mais) quando a Hera fecha as asas para ganhar manobrabilidade e virar contra o Defender que a perseguia, e ela atira nele ainda nesse modo. Mas achei que o tiro só funcionava no modo ataque, com as asas abertas.

    Desculpem o texto enorme. Tenho críticas à série mas não a vocês. Obrigado pela companhia toda semana, esperar o podcast está fazendo parte da experiência de acompanhar Rebels. Ah, e por favor, façam sim Cargo Hold de Stranger Things 2!

    • Apesar de estar aproveitando cada episódio, tive uma sensação bem semelhante no que tange os X-Wings. Ficou um pouco decepcionado com o tratamento dado, especialmente com uma derrota tão grande.

      Quanto ao Stranger Things, o beto tá defendendo essa pauta. Vamos ver 🙂

  • Fala pessoal

    Gostei do episódio. Acho que os episódios que são focados na Hera trazem sempre boas histórias. Mas fiquei meio decepcionado com o Kanan. Logo agora que Kanera é real, ele para pra dar trela pro lobinho? Pau no c*# do lobo!

    To ansioso pelo resto da temporada. Mas também pelo Ep.8. Obvio que a quebra foi para não impactar o hype, e funcionou para mim.
    Agora é só desviar dos spoilers e aproveitar.

    Abs;