Holomovies Anthology II

DM Rafael, Twilek Pepe, Metalgeisha e Beto Chopper se reúnem com a presidência da Lucasfilm divulgam a nova leva de filmes que serão os maiores sucessos na franquia Star War… ou ao menos umas boas comédias!

Recomendações:
Ganhe um audiolivro de graça e 30 dias para testar o Audible
Acesse o Jedicenter

Fale conosco!
Acesse a Terceira Terra
Acesse o Holotumbler
holocast@terceiraterra.com
@holocastsw
Facebook do Holocast
YouTube do Holocast

Dúvidas de Star Wars:
http://ask.fm/holocast

Todos os efeitos sonoros de Star Wars foram feitos a partir do Star Wars Soundboard.

Dê uma olhada nestes ótimos produtos disponíveis na Amazon brasileira!

  • Charles de Freitas

    Olha, esses exercícios mentais me deixam louco e quero deixar os meus sucessos aqui:

    Deixarei um questionamento: Já sequestraram a filha do Liam Neeson em vários lugares, mas sequestraram no espaço?

    O outro eu imagino um narrador contando uma história terrível sobre jovens de vários planetas sendo convocados para uma base imperial em um planeta que o Império NÃO SE IMPORTA, uma base auto sustentável esquecida pelo imperador que promove pouquíssimos soldados, mas que agora para não ser fechada de vez terá que elevar seu nível de medíocre para normal em menos de um mês. Esse é o problema, lá na academia chega o jovem Toh Fedhi’do (Zac Efron), um jovem “rebelde” que quer fugir dali a todo custo. Lá, o jovem Fedhi’do conhece o eterno cadete Lihan Wonok (Chris Tucker) e a doutora Telera Tinto (Anna Kendrick ou Ellie Kemper) ou que há anos tentam fugir dali sem sucesso e só ainda não foram mortos porque o exigente e extremamente inocente Tenente Terry Cahabra (Terry Crews) acredita no potencial de todos, além de ser viciado em soro da verdade, uma fórmula que ele jura deixar todos mais fortes. Altas confusões acontecem em uma tentativa constante de auto-sabotamento dos dois cadetes. No entanto, isto está prestes a mudar com a chegada do cruelíssimo Almirante Kaga Don (Will Ferrell) e seu ajudante Bill (Sacha Baron Cohen) chegam para por ordem na casa. Ao final do filme, cansado e quase quebrado Fedhi’do lança uma corajosa mensagem de força e união pela galáxia que acenderia fagulhas de uma possível rebelião se um cruzador estelar não surgisse nos céus do planeta e iniciasse um bombardeio para o desespero do Almirante que achava ser importante, uma vez que até recebeu um raio pessoalmente do Imperador. O filme acaba com o foco nas mãos cruzadas na altura do queixo (mostrando uma barba por fazer) do comandante da nave e a voz do seu imediato perguntando “E agora senhor?”, o comandante abaixa as mãos enquanto a câmera se distancia e diz “Hora de retornar ao nosso curso, nada nunca abalará o Império” e é nessa hora que reconheceremos a voz de Jack Black que colocará um “capacete de Inquisitor”. E eu acho que o Taika Waititi consegue assumir essa belezura! Cena pós-cretidos seria o Darth Black tentando descobrir (vulgo torturar) do resoluto Terry Crews quem foi que roubou o carregamento secreto de bolinhos dele até que, Black pega o sabre e liga e o Terry faz aquela cara de assustado perguntando como isso seria usado na tortura.

    • noss. upei já no questionamento

      • Charles de Freitas

        Hahaha

  • San Ramon

    Esse do Revan eu veria fácil no cinema… A ideia mais interessante pra mim seria um pouco de horror cósmico através de artefatos sith como eu disse no primeiro, mas um grande filme de guerra mesmo talvez levasse Star Wars ao que George Lucas tinha em mente quando pensou a história pela primeira vez. Grandes batalhas e tal.

  • Caraca. sério mesmo que vocês fizeram um Holoverse?

    Tenho contribuições para estas maravilhas cinematográficas.
    Para o La La Hutt, ele deveria começar com uma reunião do cartel hutt para definir as ações após a morte do Jabba. No meio da reunião, desce a Millenium Falcon (pilotada pelo Lando) e desce o tiro matando geral. Rotta sobrevive e começa a sua jornada em reerguer o crime Huttnizado.

    Para o Down of Concord, unica coisa que preciso ver é o discurso da Satine no fim, sendo inspirado por este clássico brasileiro:

    [ainda estou ouvindo o episodio, então volto mais tarde para completar meus comentário. ou não]

  • Alexandre Henrique

    Há um bom tempo, venho escrevendo um conto com uma pegada meio noir/arte sobre eventos que antecedem o Episódio I. Minha vontade era reunir alguns capítulos e disponibilizar pelas internets. Como um e-book mesmo. Mas a falta de tempo sempre deixou esse projeto de lado. Vou dar uma resumida bem resumida. SENTA, QUE LÁ VEM HISTÓRIA!

    A história acompanha um sábio ex-Jedi já de meia idade chamado Hen-Al Ooli, que há pouco tempo abandonou amigavelmente a Ordem, ao mesmo tempo que a vê com muita desconfiança. Só que ele recebe um chamado urgente do Mestre Yoda, numa última e derradeira missão: um grupo de padawans em missão de teste misteriosamente cai num planeta desértico… Tatooine, evidentemente! Com pouca experiência em combate e bem imaturos, eles logo são feitos reféns por um grupo de caçadores de recompensa e mandado ao palácio de Jabba (que já é Hutt muito influente), que pede uma quantia alta pela cabeça deles. Yoda sente que essa missão pertence somente a Ooli e este, como tem uma grande admiração pelo sábio mestre, a aceita. Relutante, mas aceita.

    Coisas acontecem ali e aqui, mas finalmente o ex-Jedi chega à Tatooine e segue direto ao encontro com Jabba. Mas ele nota que o Hutt mantém não só os padawans reféns, mas também escravos e outros seres de todos os cantos da galáxia. Durante todo o processo de barganha, Hen-Al nota automaticamente a presença de uma jovem escrava, franzina, bem machucada, mas grávida. Seu nome é Shmi. A Força é absurdamente grande ao redor dela, que chega a assustá-lo. Mas ela não a tem, e sim o feto que ela carrega na barriga. Isso faz com que Ooli mantenha uma atenção especial em Shmi durante todo o processo de barganha, que evidentemente termina com a libertação dos presos. Não haveria combate com sabre de luz, até porque Hen-Al não tem mais sabre. Ele resolve tudo na Força, de um jeito bem sutil. Ele prega peça até em Jabba…

    Durante a fuga, os padawans tomam seu caminho, assim como os demais reféns, mas Ooli resolve acompanhar Shmi até sua cabana, que já ficava próximo à Mos Espa, num acampamento com outros escravos. Numa breve conversa, ele se despede da jovem escrava e propositalmente toca em sua barriga. Nesse momento ele tem uma visão aterradora, com flashes e agonia, sofrimento e um futuro sombrio. Ele vê younglings mortos, um planeta vulcânico, corpos de nativos estirados na noite em algum deserto. O ex-mestre Jedi sente o Lado Sombrio na sua forma mais crua e sente medo. Após uma breve despedida, ele se dirige à sua nave e rumo ao infinito do espaço.

    Do cockpit do seu velho Jedi Starfighter, Hen-Al direciona uma holomensagem ao Mestre Yoda, informando o acontecido nos mínimos detalhes e do navegador da sua nave faz os cálculos de hiperdrive para a supernova mais próxima. FIM!

    A narrativa seria bem lenta mesmo, com um clima bem introspectivo (talvez não fosse ideal para se passar no cinema). Não consigo ver ninguém melhor para interpretar o protagonista do que o Viggo Mortensen. E a direção do Richard Linklater, que fez bons filmes com essa atmosfera.

    BEM DEPRÊ.
    Hahahahahaha!