Meet the Resistance

Beto “Vigarista” Chopper (4th), Metalgeisha “Charmosa” (1st), Capitão Raul “Bombarda” (Desclassificado), Marcelo “Lenhador” Skywalker (2nd) e o “Tio” Vicente (3rd) modificam suas naves, aquecem seus motores e disputam uma corrida maluca pela estacão Colossus!

Nesse episódio: Com quantos Stormtroopers se faz uma Deathstar. Mom Mothma um problema galático? e eventualmente o que achamos dos 4 primeiros episódios de Resistance.

Recomendações:
Ganhe um audiolivro de graça e 30 dias para testar o Audible
Acesse o Jedicenter

Fale conosco!
Acesse o Holoblog
Acesse a Terceira Terra
Acesse o Holotumbler
holocast@terceiraterra.com
@holocastsw
Facebook do Holocast
YouTube do Holocast

Dúvidas de Star Wars:
http://ask.fm/holocast

Todos os efeitos sonoros de Star Wars foram feitos a partir do Star Wars Soundboard.

Dê uma olhada nestes ótimos produtos disponíveis na Amazon brasileira!

  • Danilo Almeida

    Finalmente o Holocast de Resistance “is up”. Vai ser bom acompanhar a série com vocês, assim como foi com Rebels!! Abraços!!

  • San Ramon

    Sei lá, pelo tom da conversa ta aquela animação infanto juvenil padrão né… e nada de zabraks, Aí complica.

  • Vlademir Dorigon

    Olá pessoal!
    Sobre o exército… Realmente fico uma coisa complicada de entender.
    Mas a República, no período epl, não tem um exército centralizado. Eles tem uma força de segurança, tipo para lidar com piratas e forças paramilitares mas não com um “exército regular”.
    Dai a desculpinha para surgir o exército dos clones DO NADA e a República aceitar. República cai surge o Império que cria o sentimento de “terror ao que for de fora” e assim justifica a formação de um exército regular…
    O Tie Figther é suporte de Star Destroyer, já que o SD ADERNA se acertarem a ponte de comando… A nave simplesmente morre… Enfim… Rsrs…
    Já o Tie Interceptor é a resposta ao X-Wing… Mas os engenheiros do Império não conseguiam fazer funcionar um hyper Drive e um Shield Drive… Thats happens…
    Enquanto que a Rebelião tem que formar seu exército, mas pelo tamanho e condições se utilizam de táticas de guerrilha. (como mencionado por vcs o “atirar e correr” vira o padrão)

    Já no Despertar da Força, temos o fim do Império e o “trauma da guerra”… A Nova República entende seus erros. Mas corrigir ele seria mais complicado.
    Como vcs mencionaram algo como a ONU seria mais plausível do que a centralização. Se bem que esse esquema seria parecido com a antiga República (epl).

    Já a Leia em sua infinita paranoia e poder da Força tem a certeza que algo vai surgir… Afinal se a NR não salgou a terra em cada planeta que o Império encostou ela poderia ressurgir.
    A NR tendo que cuidar de incontáveis planetas em crise por causa anos de guerra não teria como cuidar de reformular o exército, que ficaria estacionado esperando uma ameaça sabe se lá de onde, além dos próprios líderes planetários pensando nos jogos políticos (politicagem e tals).
    Então fica complicado para a República pensar em um exército para uma nova guerra… Mas a Leia esta se preparando… Então a República da um suporte, mesmo que mínimo, para a Resistência.
    Se precisar a Resistência é a primeira linha de defesa até a NR convocar seus reservistas;
    Se não precisar a Resistência é comandada por uma velha veterana de guerra / senadora / princesa de um planeta morto que endoideceu… Ela que se explique.

    Mas temos a Star Miller e o Eterno desejo de Terraplanar o espaço que o Império deixou de legado para a PO.

    (cacete falei demais aff…)
    Continuem o bom trabalho.

  • Vlademir Dorigon

    Voltei
    (ler o post abaixo primeiro)

    Já o desenho…
    Esses pequenos detalhes que vcs falaram é muito bacana.
    Afinal se o desenho se passa entre os filmes é legal demonstrar como a galáxia está nesse período “entre guerras”.
    E a interação entre os ex-combatentes de cada lado.